Pular para o conteúdo

Drogas - O Calcanhar de Aquiles dos Americanos

IPA Brasil

A | A

            Nem mesmo a epidemia de AIDS matou tantas pessoas nos Estados Unidos em um único ano quanto as overdoses. A maioria das mortes foi causada pelo uso de opiáceos. Em torno de 49.000 casos foram constatados, de acordo com os dados mais recentes do Centro de Controle de Doenças (CDC). O principal fator para esse aumento de mortes é outra droga sintética, o fentanil, 50 vezes mais forte que a heroína, que já matou 29.000 pessoas. É seguido pela heroína e outras drogas. Os especialistas do CDC na verdade estão preocupados com o fato de que substâncias como o fentanil sejam misturadas com drogas para aumentar seu efeito. Os estados com a maior taxa de mortalidade são Virgínia Ocidental, Pensilvânia e Ohio. Em Massachusetts, Vermont, Wyoming e Montana começa a haver uma redução nas mortes por overdose, mas são uma exceção, porque no resto do país está crescendo, apesar dos esforços feitos para combater a dependência de drogas como o fentanil, 50 vezes mais forte que a heroína.

             O total anual de mortes por overdose no ano passado foi de 72.287, segundo estatísticas do CDC, o que equivale a uma morte a cada oito minutos. É um número recorde, que representa um aumento de 10% em um ano e que ultrapassa o número de mortes em acidentes de trânsito e violência com armas de fogo.


            O presidente Donald Trump declarou situação de “emergência de saúde pública” no ano passado. Nesse contexto, o Departamento de Justiça e a Agência Antidrogas (DEA) acabam de propor que seja aplicado às empresas farmacêuticas um limite na produção de substâncias que possam ser usadas de maneira indevida.  O objetivo dessa nova cota é reduzir o volume de medicamentos, como os analgésicos, que são vendidos ilegalmente no mercado negro ou que facilitam o vício. As estatísticas do CDC mostram algum progresso nesse sentido, já que as mortes por overdose relacionadas a medicamentos como Oxicodona ou Hidrocodona pararam de crescer, o que pode indicar que se está próximo da mortalidade máxima. O presidente pediu que mais controle fosse aplicado. “É como uma nova forma de guerra”.

Fonte: EL Pais.